França

As regiões da França

Se você quer saber um pouquinho mais sobre l’Hexagone (1), indo além da não menos importante Paris, é interessante conhecer como o país é dividido em regiões, quais são elas e o que se espera encontrar por lá.

Desde 2016, quando entrou em vigor a mais recente reforma administrativa, a França deixou de se dividir em 22 regiões e passou a ter 13 delas, como mostra o mapa que ilustra este post.

A reforma teve como justificativa do então governo, presidido por François Hollande e seu primeiro-ministro Manuel Valls, enxugar gastos administrativos, reduzir desigualdades entre as regiões e torná-las mais competitivas, levando em conta a projeção de cada uma delas no cenário da União Europeia.

Foram objeto da iniciativa apenas as chamadas regiões metropolitanas (aquelas situadas na França continental), enquanto os chamados territórios ultramarinos, também conhecidos como DOM-TOM (2), permaneceram inalterados.

As regiões, a exemplo do que ocorre no Brasil, agrupam os chamados Départements, ou departamentos, que atualmente são 104 – sendo 97 na França metropolitana e 7 ultramarinos. Mal comparando, os departamentos seriam o equivalente aos estados na divisão administrativa brasileira, e a sua demarcação está bastante presente na vida dos franceses, na definição das placas dos carros (plaques d’immatriculation), por exemplo: elas são compostas por uma sequência de duas letras, três números e duas letras, tendo ao lado direito o logotipo da região e o número do departamento em que foi feito o registro do veículo (foto abaixo).

A tabela abaixo mostra como é atualmente a divisão geográfica da França, em regiões.

Novas regiões francesas

Agora (divisão política atual)

Antes (a divisão anterior, até 2016)

Alguns destaques de cada região

Hauts-de-France

Nord-Pas-de-Calais

Carnaval de Dunkerque e

a “braderie” de Lille

Picardie

Amiens e sua catedral gótica

Normandie

Haute-Normandie

Rouen

Basse-Normandie

Mont Saint-Michel; Deauville

Île-de-France

Île-de-France

Paris:

Clássicos: dezenas de museus: do Louvre, d’Orsay, etc.; torre Eiffel, Notre-Dame, catacumbas

Extras: O que fazer em Paris.

Grand-Est

Champagne-Ardenne

Visitar vinhedos e caves; Reims (agenda)e sua catedral

Lorraine

Baccarat; Nancy; Metz

Alsace

Strasbourg; Colmar

Bretagne

Bretagne

Quimper; os menires de Carnac

Pays de la Loire

Pays de la Loire

Castelo: Saumur;

Le Mans; Nantes

Centre-Val-de-Loire

Centre

O vale do Loire e seus castelos: Blois, Cheverny, Chambord

Bourgogne-Franche-Comté

Bourgogne

Dijon

Franche-Comté

Besançon

Nouvelle-Aquitaine

Poitou-Charentes

La Rochelle; Festival Internacional de Quadrinhos de Angoulême (ou: em pt)

Aquitaine

Bordeaux

Limousin

Limoges

Auvergne-Rhône-Alpes

Auvergne

Vichy; Puys-de-Dôme

Rhône-Alpes

Grenoble; Lyon

Occitanie

Midi-Pyrénées

Toulouse

Languedoc-Roussillon

Carcassonne; Montpellier; gorges du Tarn (cânion)

Provence-Alpes-Côte-d’Azur

Provence-Alpes-Côte-d’Azur

Os Alpes; Marseille; château d’If; Nice, promenade des Anglais; Avignon e seu festival de teatro

Corse

Corse

Ajaccio

Quer se aprofundar? Uma ótima opção é o Guia visual da Folha de São Paulo, bastante completo.

Quer aprender francês pra saber ainda mais?

www.francesmais.com

 

1Hexagone: A França também é denominada pelos franceses como “o Hexágono”, nome escolhido em alusão ao formato de seu território, que lembra o desta figura geométrica.

2DOM-TOM é uma abreviatura para départements d’outre-mer et territoires d’outre mer (departamentos e territórios ultramarinos), que derivam das conquistas territoriais da França nos tempos de colonização. Eles estão espalhados pela América, África, Oceania e Antártida.

Publicado por Hellen Souza

Meu nome é Hellen Souza, sou jornalista e francófila, ou seja, adoro a cultura francesa. Aqui você encontrará informações sobre o que acontece atualmente nesse país que já foi berço de transformações sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco + cinco =